Parceria: DarkSide Books † Aposte no escuro

BOOK'S NOT DEAD BABYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYY!!!


Hey amigos, tudo bom? Acho que alguns de vocês já souberam que a DARKSIDE abriu vagas para novos parceiros para seu time e eu, louco pela editora como sou, não pude deixar de se inscrever. Passei todo o período de avaliação bem nervoso e ansioso pelo resultado e SIM: o APANHADOR DE LIVROS foi APROVADOOOO!!! #DeadInBlood

Fiquei mais ou menos assim:


Um grito eterno saiu da minha garganta com a notícia*** Felicidade gente... e das grandes!


Então, aguardem pois teremos várias novidades aqui no blog e nas nossas redes adjacentes! Que tal conhecermos mais sobre a editora e seus lançamentos? OBA!

1ª - A Noite dos Mortos Vivos, de John Russo.



A DarkSide® desenterra mais um clássico do terror e vai direto na fonte: A Noite dos Mortos-Vivos, considerado uma das maiores obras-primas do gênero e um livro obrigatório para os fãs de The Walking Dead, Resident Evil, Orgulho e Preconceito Zumbi e tudo aquilo que englobe os carismáticos comedores de cérebros. Se hoje os zumbis estão em alta é porque, em 1968, George Romero e John Russo se reuniram para escrever o roteiro de A Noite dos Mortos-Vivos e mudar a história do cinema. O filme revolucionou o mito sobre as criaturas que voltavam do além: as superstições vodus das velhas produções B deram lugar à epidemia de fome canibal nas ruas norte-americanas. Criaturas similares já haviam aparecido antes nas telonas, mas foi em A Noite dos Mortos-Vivos a primeira vez em que foram retratados como uma praga devoradora de carne humana.
O próprio John Russo (que também atua no clássico de 1968 como um zumbi) adaptou a história do filme neste romance que a DarkSide® traz para o Brasil. A Noite dos Mortos-Vivos inclui ainda uma surpresa para os leitores: o texto integral da sequência do clássico, que nunca chegou a ser filmada, chamada de A Volta dos Mortos-Vivos (não vai confundir com a comédia trash de 1985, que também contou com Russo no time de roteiristas). Depois de 45 anos, finalmente é publicado no Brasil o romance do filme que marcou gerações.

2ª Prince of Thorns, de Mark Lawrence.


Tem início a Trilogia dos Espinhos: Ainda criança, o príncipe Honório Jorg Ancrath testemunhou o brutal assassinato da Rainha mãe e de o seu irmão caçula, William. Jorg não conseguiu defender sua família, nem tampouco fugir do horror. Jogado à sorte num arbusto de roseira-brava, ele permaneceu imobilizado pelos espinhos que rasgavam profundamente sua pele, e sua alma. O príncipe dos espinhos se vê, então, obrigado a amadurecer para saciar o seu desejo de vingança e poder. Vagando pelas estradas do Império Destruído, Jorg Ancrath lidera uma irmandade de assassinos, e sua única intenção é vencer o jogo. O jogo que os espinhos lhe ensinaram





3ª Os Goonies, de James Kahn.



É verão na pequena cidade costeira de Astoria e os Goonies estão preocupados. Poderosos corretores de imóveis ameaçam ocupar o bairro de Goon Docks para transformá-lo num grande loteamento. É quando Mikey encontra um velho mapa de piratas e os garotos saem à procura do tesouro que poderá salvar suas caras. Só que não esperavam encontrar esqueletos armados de espada, uma passagem subterrânea cheia de armadilhas e uma perigosa quadrilha de falsários, ansiosos por eliminar os Goonies. Mas o grupo fez um juramento de continuar unido, houvesse o que houvesse... E foi a sorte deles, porque ia começar o período mais incrível de suas vidas... FAÇA O JURAMENTO. JUNTEM-SE À AVENTURA.





4ª Psicose, de Robert Bloch.


Psicose, de Robert Bloch
Psicose, o clássico de Robert Bloch, foi publicado originalmente em 1959, livremente inspirado no caso do assassino de Wisconsin, Ed Gein. O protagonista Norman Bates, assim como Gein, era um assassino solitário que vivia em uma localidade rural isolada, teve uma mãe dominadora, construiu um santuário para ela em um quarto e se vestia com roupas femininas. Em Psicose, sem edição no Brasil há 50 anos, Bloch antecipou e prenunciou a explosão do fenômeno serial killer do final dos anos 1980 e começo dos 1990. O livro, assim com o filme de Hitchcock, tornou-se um ícone do horror, inspirando um número sem fim de imitações inferiores, assim como a criação de Bloch, o esquizofrênico violento e travestido Bates, tornou-se um arquétipo do horror incorporado a cultura pop.




Outros... ( Cliquem na imagem, tem surpresinha *.* )


  


  


Então é isso leitores! Vamos aguardar porque sangue vai rolar nessa parceria, vamos tocar o terror com as leituras e babar com o trabalho maravilhoso dessa editora. <3 Bjos!