Divergente, de Veronica Roth.

Autor(a): Veronica Roth
Editora: Rocco
Ano: 2012
Número de páginas: 502
Flores de Lótus: - OMG PERFEITO!

Sinopse: 
Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.
A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.
E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.

Então, mais uma distopia resenhada aqui no blog. Dessa vez eu li DIVERGENTE e posso dizer não só que o livro é fantastico, mas surpreendente! Das distópias que eu li nesse ano o livro da Veronica Roth com certeza teve seu destaque.




O livro vai nos apresentar um mundo distópico, ou seja, quando o mundo teve uma grande guerra ou uma inversão da sociedade, que agora vive de forma diferente. No mundo de Divergente, vamos encontrar as facções, que foram criadas com o intúito de fazer com que as pessoas vivessem mais em harmonia com seus sentimentos e consigo mesmas e claro, para manter a ordem da sociedade. Existem ao todo 5 facções, são elas: Abnegação, a Amizade, a Audácia, a Franqueza e a Erudição. Aqueles que vivem sem nenhuma facção, são similares aos nosso moradores de rua, invisíveis a sociedade.


O foco do livro vai ser na estória da Beatriz, ou Tris, que fazia parte da facção da abnegação, que tinha como caracteristicas solidariedade, pensar mais no próximo do que em si mesmo, sendo assim, eles vivem uma vida mais simples e de pura caridade. Nossa protagonista e seu irmão, Caleb, estão prestes à participar do teste de aptidão, que é um teste virtual, do qual irão acontecer diversas situações e as reações de ambos serão analisadas. O resultado, quando obtido, indica uma possível facção para eles escolherem. Entretanto eles podem mudar de opinião e decidir se ficam com sua facção e com sua família, ou se decidem partir para se aventurarem numa nova facção - longe das pessoas que amam.

Porém algo dá errado com o teste de Tris, elas partence a mais de uma facção sendo assim considerada uma DIVERGENTE. Quando chega o dia de escolher sua nova facção, não só Caleb surpreende sua família escolhendo a ERUDIÇÃO, mas Tris também, escolhendo a AUDÁCIA.
Será tão difícil romper com a mentalidade de abnegação imbuída em mim quanto puxar o único fio de uma peça complexa de tecelagem. Mas encontrarei novos hábitos, novos pensamentos, novas regras. Eu me tornarei uma nova pessoa.
A partir daí a trama se desenvolve de uma forma espetacular, com um enredo repleto de reviravoltas, aventuras, testes físicos e mentais e segredos!


Quando falamos de distopias a primeira coisa que passa por nossa cabeça é: como deve ser o mundo criado pela autora nesse determinado livro? A resposta dessa pergunta referente ao livro divergente é: Original. Roth dividiu a sociedade por suas características emocionais e isso foi de fato bem original, se levarmos em consideração que essas características são as que mais nos difere. Cada facção é bem abordada e discutida no livro, sendo assim você vai saber perfeitamente o estilo de vida das mesmas:
Os que culpavam a agressividade formaram a Amizade
Os que culpavam a ignorância se tornaram a Erudição 
Os que culpavam a duplicidade fundaram a Franqueza
Os que culpavam o egoísmo geraram a Abnegação
E os que culpavam a covardia se juntaram à Audácia
A trama abordada nesse primeiro livro é a diferença entre as facções. Temos cenas de convivência entre pessoas de facções diferentes, ação, violência e ilusões muito bem elaboradas e descritivas. Mas no final do livro descobrimos que a trama que se desenvolverá no decorrer dos livros da série, está diretamente ligada a uma questão social e política no mundo em questão.

A narrativa da Veronica é bem leve, fluida e acima de tudo direta. A autora não perde tempo enrolando muito os fatos e isso faz com que a gente possa ler o livro de mais de 500 páginas em instantes. A autora soube estruturar a protagonista do livro, a Tris, pois esta é uma personagem de personalidade forte e que não teme suas escolhas. É uma personagem que esconde suas fraquezas e tenta se mostrar sempre forte, o que é basicamente necessária para sua sobrevivência na iniciação da audácia. Além dela personagem tem sua característica muito bem exposta e elaborada pela autora.


Acredito nos atos simples de bravura, na coragem que leva uma pessoa a se levantar em defesa da outra.
Meu coração bate tão forte que o peito dói, e não consigo gritar ou respirar, mas ao mesmo tempo sinto tudo, cada veia e cada fibra, cada osso e cada nervo, todos vivos e alertas no meu corpo, como se tivesse recebido uma carga elétrica. Eu sou pura adrenalina.
Sinto como se alguém tivesse enchido o meu pulmão com novos ares. Não sou da Abnegação. Não sou da Audácia.
Eu sou Divergente.
E não posso ser controlada.


Outro fator que deixa o livro ainda mais instigante são alguns segredos que são revelados ao longo das páginas e outros que são mantidos a sete chaves, prontos a serem revelados no próximo exemplar. Como todo livro atualmente, a autora colocou um dose, bastante moderada, de romance. Mas ela colocou esse tempero na dose certa e não tirou o foco do livro.

A autora deixou uma mega ponte para o segundo volume e me fez querer correr para a livraria mais próxima para poder ler a continuação intitulada: INSURGENTE. Eu recomendo a leitura dessa distopia para vocês sem sombras de dúvidas. É uma leitura rápida, prazerosa e cheia de surpresas. :D